2018 é o ano dos smartphones para gamers, tendência para atender ao cada vez mais poderoso mercado de games móveis. A Samsung consolidou isso com o Galaxy Note 9, que atende a vários requisitos para o perfil de usuário gaming.

Nesse momento, o protagonista absoluto nesse segmento é o Razer Phone, com tela de 120 Hz, alto-falantes espetaculares e bateria de 4.000 mAh. Depois chegou o Xiaomi Black Shark em linha similar, com microfone dedicado, joystick e botões físicos, além do sistema de refrigeração líquida.

Tempo depois, veio o Nubia Red Magic, com foco em velocidade de leitura e espaço de armazenamento e o botão de overclock.

 

 

No caso do Galaxy Note 9, é a primeira vez que a principal marca de smartphones do planeta se aproxima desse segmento, com um produto com distribuição global e potência plena (4.000 mAh de bateria, até 512 GB de armazenamento, e até 8 GB de RAM).

O ASUS ROG Phone seguiu linha similar, com câmera de vapor para a refrigeração, sensores táteis e tela HDR a 90 Hz com processador e GPU otimizados para os jogos.

Mas… de onde veio o interesse da Samsung no segmento gaming?

Por causa do dinheiro, oras!

 

 

Os games móveis estão cada vez maiores. As receitas dobraram nos últimos três anos. Do consumo total de videogames, US$ 4 de cada US$ 10 estão nas plataformas móveis, e a tendência é só aumentar.

Se tudo isso é pouco para você, a Samsung ainda tirou um belo ás da manga na apresentação do Note 9: o Fortnite chegando primeiro nos dispositivos Galaxy competíveis, sem falar no skin especial e exclusivo.

Uma forma de chamar a atenção desse mercado e, talvez, de forma mais efetiva e a curto prazo que a inclusão do hardware antes mencionado.

Tudo indica que veremos mais smartphones com funções e novidades voltadas especificamente para os games nos smartphones. O Galaxy Note 9 é uma evidência clara disso.