home

A Apple hoje (12) vai abrir mão do botão Home, o mesmo que a ajudou a mudar tudo com o lançamento do primeiro iPhone há dez anos.

A dificuldade em colocar um sensor Touch ID abaixo da tela pode resultar em um sistema de reconhecimento facial, trazendo como consequência direta uma queda de paradigma, que se traduz em uma pergunta: realmente precisamos desse botão Home?

O iPhone X vai eliminar o conceito de botão Home para receber uma tela que ocupa praticamente toda a frontal. Enquanto o Touch ID abaixo da tela não é descartado por completo, A Apple aposta em uma nova proposta de interação com o usuário.

O reconhecimento facial 3D com a câmera frontal do dispositivo pode trabalhar em conjunto com gestos táteis, o que efetivamente substitui o Touch ID… em partes.

 

 

Com isso, o iPhone X deve ter um dock similar ao que já vimos no iPad com iOS 11, além de uma barra de software compatível com gestos táteis.

Para desbloquear o smartphone, um gesto tátil deslizaria a barra para o centro da tela. Se fazemos o gesto com um aplicativo já aberto, acessamos um gestor multitarefa para alternar entre os aplicativos.

O que parece evidente é que o botão Home não tem sentido no iPhone X. Mas… e se isso virar tendência no mercado?

Os novos designs sem bordas não anulam o tal botão Home no Android, que segue presente com os leitores de digitais na parte traseira, ou nos botões virtuais na tela.

Samsung e LG usam o botão Home no leitor de digitais na parte traseira nos seus mais recentes dispositivos top de linha.

 

 

Porém, no Android, o botão de início não é o único presente na interface. Os botões de menu e voltar também estão presentes.

Samsung e Android decidiram virtualizar os botões na tela. No LG G6, por exemplo, eles estão sempre presentes em uma barra de botões que podem ser configuradas com outros acessos diretos. No Galaxy S8/S8+, eles seguem aparecendo na tela quando pressionamos, com uma resposta háptica.

Não parece que as coisas vão mudar tão cedo nos smartphones Android, o que não quer dizer que não tentaram isso parcial ou completamente. A Huawei colocou o leitor de digitais em um pequeno touchpad com gestos touch que replicam as funções de menu e voltar.

Aplicativos como o All in one Gestures esconde os botões virtuais por software para uma interação com o smartphone com gestos simples. E este é só um exemplo de como essa capacidade poderia ser integrada pelos fabricantes de série.

Outras plataformas adotaram esse conceito, dispensando os botões home e de navegação. O Sailfish OS é um dos mais conhecidos por isso, e seus gestos são tudo o que precisamos para navegar pela interface do dispositivo.

É difícil dizer quem vence essa disputa. Os dois formatos são bem interessantes na funcionalidade e rapidez de interação e até ergonomia. Será interessante ver como esses gestos táteis se comportam no novo iPhone.