Sony-Xperia-Tablet-Z2

A Sony anunciou ontem (09) que começou a vender no Brasil o seu Xperia Z2 Tablet. Tudo bem, o produto é bonito, seguindo a proposta de design dessa linha Xperia, que é formada por produtos top de linha. Compreendo tudo isso. Mas… R$ 2.599 por um tablet? Esse preço não é lá muito compreensível.

Vou tentar ser justo. O conjunto de hardware do Xperia Z2 Tablet é realmente top de linha: processador Qualcomm Snapdragon 801 quad-core de 2.3 GHz, GPU Adreno 330, 3 GB de RAM, 16 GB de armazenamento interno (expansíveis via microSD de até 128 GB), câmera traseira de 8 megapixels, bateria de 6.000 mAh, tela IPS LCD de 10.1 polegadas (1920 x 1200 pixels), 439 gramas de peso, TV digital Full-Seg e sistema operacional Android 4.4 KitKat.

Em resumo: é o tablet Android mais completo que você vai encontrar. Por outro lado, é um dos tablets mais caros que o seu dinheiro pode comprar. Isso é, se você tiver esse dinheiro.

Entendo que os únicos que realmente podem aproveitar um produto com esse conjunto de hardware – e por esse preço – são os usuários profissionais, com necessidades muito específicas. E, mesmo assim, a maioria dos aplicativos pensados para os profissionais estão na plataforma concorrente – o iOS. Logo, para muitos, mesmo com algumas restrições (como a expansão de memória), é muito melhor comprar um iPad air do que o Xperia Z2 Tablet.

Sem falar no investimento nos itens complementares para que o profissional seja produtivo. No meu caso, por exemplo, a aquisição de um case com teclado físico, ou um teclado Bluetooth passa a ser algo obrigatório. Todo mundo sabe que não se obtém a mesma produtividade com um teclado virtual. Logo, esse valor de R$ 2.599, que já é elevado para a maioria, fica ainda maior.

Ou seja… não seria mais barato comprar logo um ultrabook? Está quase no mesmo preço…

Não me entendam mal. Não estou aqui dizendo que o produto é ruim, ou que não deveríamos pagar pela proposta geral do produto. O que estou afirmando é que o valor é elevado demais, até mesmo para um suposto público alvo de profissionais. Em busca rápida na Apple Store brasileira, o iPad Air de 64 GB com 4G + WiFi (que é o modelo mais caro) está com o preço sugerido de R$ 2.499. Aí, você vai me dizer “por R$ 100 a mais eu tenho muito mais de hardware, e…”. Será? Será que a relação custo/benefício na hora de encontrar aplicativos, acessórios e itens complementares para atividades profissionais é tão maior no caso do modelo da Sony?

Tenho minhas dúvidas. Até porque, nesse aspecto, o iOS sempre se mostrou mais ajustado para os mais diferentes segmentos profissionais.

Não quero desvalorizar o Xperia Z2 Tablet. Só acho que, para ser competitivo, não poderia ser tão caro. Empresas como Samsung, LG, HP, ASUS, Acer e derivados já entenderam que não basta oferecer um produto ajustado para um bom desempenho, ou enviar para o mercado um tablet top de linha. Se o fator “preço” não chamar a atenção do consumidor, pode esquecer. O produto pode cair no completo esquecimento, ou ser solenemente ignorado, mesmo quando é especificamente voltado para os mais produtivos.

Não é mesmo, Microsoft Surface?

Logo, que a Sony reveja seus conceitos. O Xperia Z2 Tablet possui um potencial incrível, mas é caro demais. Por mais que os fabricantes queiram assumir a nobre missão de oferecer o fator de produtividade para os tablets – uma vez que eles estão ocupando o lugar dos computadores pessoais tradicionais na vida de muita gente -, essa mesma produtividade está sendo descoberta pelos fabricantes, e até mesmo pelo consumidor em geral.

E, hoje, entre um iPad Air e um Xperia Z2 Tablet, pelos mais diferentes motivos, eu ficaria com o modelo da Apple.