A trajetória do Projeto Mercury e o voo da Apolo 11 à Lua em 1969 foram calculados por uma mulher: Katherine Johnson. Ela foi uma peça fundamental no desenvolvimento da aeronáutica e das missões espaciais.

Johnson nasceu em 26 de agosto de 1918, em White Sulphur Springs, Virginia (EUA). Com apenas 10 anos de idade, já cursava o ensino médio e, depois de se formar, ingressou na Universidade estatal de West Virginia, se formando em matemática e francês em 1937.

Trabalhou por vários anos como professora em uma escola para afro descendentes, até que em 1952 se interessou por um emprego na seção de computação da ala oeste do Laboratório Langley da NACA, entidade que antecedeu à NASA, e se mudou para Hampton, Virginia.

Décadas depois, em 1962, quando a NASA se preparava para a missão orbital de John Glenn, Katherine Johnson foi chamada para realizar o trabalho pelo qual ela seria mais conhecida. Seus cálculos ajudaram na missão da Apolo 11, que se desenvolveu na íntegra em 1969, estimando numericamente a sua trajetória.

Na sua carreira, Johnson foi autora de mais de 20 informes científicos, e sua importância na física e informática teórica resultaram em um significativo reconhecimento.

Recentemente, a sua história (e a de outras brilhantes mulheres que contribuíram para o pioneirismo e desenvolvimento tecnológico da NASA) foram retratados nos cinemas, com o ótimo filme Estrelas Além do Tempo.

E Katherine Johnson completou 100 anos de vida. Uma mente brilhante. Uma mulher singular. Um exemplo para todos nós.